museu_apartheid

África em Família – O imperdível Museu do Apartheid, em Joanesburgo


O Museu do Apartheid, o primeiro de seu tipo, aberto em 2001, ilustra a ascensão e queda do regime do apartheid. Ele demonstra como era a vida dos sul-africanos sob o sistema do apartheid através de fotografias, vídeos, publicações, artefatos pessoais e histórias emocionantes.

A palavra Apartheid não nos é desconhecida e soa muito dolorosa aos nossos ouvidos. Mesmo sem termos vivenciado a historia como os africanos, conhecemos muito bem o peso do racismo no Brasil. Em africâner (língua sul africana) Apartheid significa “separação”. Mais claro que isso, impossível!

Foto da violência contra os negros exposta no Museu do Apartheid. Fonte: Site Oficial do Museu
Foto da violência contra os negros exposta no Museu do Apartheid. Fonte: Site Oficial do Museu

De fato tudo era separado. Os negros não podiam se misturar com os brancos, e as escolas, cadeiras, ônibus, restaurantes e até bairros eram separados. Não existiam direitos humanos ou qualquer outro apoio. Tudo estava nas leis do País.

Era legal agir dessa forma. Lutar ou mesmo demonstrar publicamente sua postura contrária, faria de você, naquela época, um criminoso.

Entrada do Museu
Entrada do Museu

 

Tá planejando uma viagem para a África do Sul? Não esqueça de contratar seu seguro viagem. Compare seu seguro com as melhores operadores do mercado e tenha 5% de desconto com o cupom DECOLAGEM5.

 

O Museu do Apartheid nos faz vivenciar essa separação já na compra dos ingressos. Existe o ingresso para brancos e para os “não brancos”, assim como portões de entradas distintos.

Ingressos e entradas separadas para Brancos e "Não-Brancos"
Ingressos e entradas separadas para Brancos e “Não-Brancos”

O Museu tem uma estrutura multimídia muito boa e conta toda essa história de forma bem interativa. O que nos faz vivenciar com mais realidade as atrocidades e barbáries que essa sociedade viveu e promoveu.

Dentro do museu é proibido tirar fotos. Há alguns seguranças orientando os visitantes quanto a isso. Por esse motivo, algumas fotos desse post foram retiradas da CNN, do site oficial do Museu e do site da Universidade de Wisconsin-Madison, obviamente com os devidos créditos.

Rampa dentro do museu.
Rampa para acesso ao museu.

Não há como sair desse museu da mesma forma como entramos. Nós e nossos filhos nos emocionamos a todo depoimento de sofrimento contado por pessoas que viveram durante essa época. Entre elas, a que mais teve destaque durante esse regime foi Nelson Mandela. Líder dos movimentos contra as injustiças raciais, foi preso na famosa Robben Island, durante 27 anos, em uma cela minúscula. Há uma réplica da cela no museu, com seu tamanho original, e por minutos você fica a se perguntar como um ser humano conseguiu viver durante 27 anos naquele pequeno espaço.

 

Cordas representando a morte por enforcamento de muitos negros. Fonte: CNN
Cordas representando a morte por enforcamento de muitos negros. Fonte: CNN

 

Placas de segregação durante o Regime (Foto de Jeff Miller / UW-Madison)
Placas de segregação durante o Regime (Foto de Jeff Miller / UW-Madison)

 

Celas de prisão usadas durante o regime. (Foto de Jeff Miller / UW-Madison)
Celas de prisão usadas durante o regime. (Foto de Jeff Miller / UW-Madison)

 

Há ainda o carro, as cartas e as roupas que pertenciam a Nelson Mandela e a outros lideres do movimento de luta pela igualdade. Além da cela de Nelson Mandela, há a replica de outras celas onde ficavam os presos negros durante o regime.

Display sobre a vida de Nelson Mandela. (Foto de Jeff Miller / UW-Madison)
Display sobre a vida de Nelson Mandela. (Foto de Jeff Miller / UW-Madison)

Há um tanque de guerra original que era usado para “pacificar” as manifestações, além de inúmeras armas usadas para o extermínio de milhares de negros.

As imagens e os relatos são extremamente emocionantes.

Obra de arte representando o rosto de Mandela
Obra de arte representando o rosto de Mandela

Não há como ir a África do sul e não ir ao Museu do Apartheid. Reserve pelo menos 3 horas do seu dia para apreciar o museu, vale cada minuto.

 

Conheça também: Em Joanesburgo não deixe de visitar o Rhino and Lion Nature Reserve e o Market on Main.

 

Horário de Funcionamento do Museu do Apartheid

Todos os dias: 09:00 às 17:00 horas.
Obs.: O museu só é fechado na sexta-feira santa, no dia do Natal e no dia do ano-novo.

Preços

Adultos: 95 Rands
Crianças e Idosos: 80 Rands

 

Caso vá ao Kruger, conheça a Jéssica The Hippo, em Hoedspruit, e o Santuário dos Elefantes, em Hazyview.

Aproveite e reserve seu hotel na África do Sul usando a caixa de pesquisa abaixo e ajude-nos a manter o blog:


Booking.com

 

Reserve um carro utilizando a caixa de pequisa abaixo, em até 12 vezes sem juros e sem IOF.

 

3 thoughts to “África em Família – O imperdível Museu do Apartheid, em Joanesburgo”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *